2 Samuel 11:1-17   

O PREÇO OCULTO DO PECADO
1 Tendo decorrido um ano, no tempo em que os reis saem à guerra, Davi enviou Joabe, e com ele os seus servos e todo o Israel; e eles destruíram os amonitas, e sitiaram a Rabá. Porém Davi ficou em Jerusalem. 2 Ora, aconteceu que, numa tarde, Davi se levantou do seu leito e se pôs a passear no terraço da casa real; e do terraço viu uma mulher que se estava lavando; e era esta mulher mui formosa à vista. 3 Tendo Davi enviado a indagar a respeito daquela mulher, disseram-lhe: Porventura não é Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o heteu? 4 Então Davi mandou mensageiros para trazê-la; e ela veio a ele, e ele se deitou com ela (pois já estava purificada da sua imundícia); depois ela voltou para sua casa. 5A mulher concebeu; e mandou dizer a Davi: Estou grávida. 6 Então Davi mandou dizer a Joabe: Envia-me Urias, o heteu. E Joabe o enviou a Davi. 7 Vindo,pois, Urias a Davi, este lhe perguntou como passava Joabe, e como estava o povo, e como ia a guerra. 8 Depois disse Davi a Urias: Desce a tua casa, e lava os teus pés. E, saindo Urias da casa real, logo foi mandado após ele um presente do rei. 9 Mas Urias dormiu à porta da casa real, com todos os servos do seu senhor, e não desceu a sua casa. 10 E o contaram a Davi, dizendo: Urias não desceu a sua casa. Então perguntou Davi a Urias: Não vens tu duma jornada? por que não desceste a tua casa?
11 Respondeu Urias a Davi: A arca, e Israel, e Judá estão em tendas; e Joabe, meu senhor, e os servos de meu senhor estão acampados ao relento; e entrarei eu na minha casa, para comer e beber, e para me deitar com minha mulher? Como vives tu, e como vive a tua alma, não farei tal coisa. 12 Então disse Davi a Urias: Fica ainda hoje aqui, e amanhã te despedirei. Urias, pois, ficou em Jerusalém aquele dia e o seguinte. 13 E Davi o convidou a comer e a beber na sua presença, e o embebedou; e à tarde saiu Urias a deitar-se na sua cama com os servos de seu senhor, porém não desceu a sua casa. 14 Pela manhã Davi escreveu uma carta a Joabe, e mandou-lha por mão de Urias. 15 Escreveu na carta: Ponde Urias na frente onde for mais renhida a peleja, e retirai-vos dele, para que seja ferido e morra. 16 Enquanto Joabe sitiava a cidade, pôs Urias no lugar onde sabia que havia homens valentes. 17 Quando os homens da cidade saíram e pelejaram contra Joabe, caíram alguns do povo, isto é, dos servos de Davi; morreu também Urias, o heteu.

Quando eu era garoto, achava o máximo caçar as galinhas de Angola. Não, deixe-me explicar, a galinha de angola lá em Angola é uma ave da selva e ela é chamada de Galinha do Mato.
Aprendi que os caçadores de galinhas do mato mais espertos utilizam esconderijos que servem de chamarizes. Construídos de material natural da região onde a caçada é realizada, em geral preparados bem antes da estação de caça, para que as galinhas do mato, ou melhor, as galinhas de angola, se acostumem com eles.
No dia da caçada, os caçadores chegam bem antes de amanhecer. Em silêncio, colocam seus chamarizes, que parecem galinhas de angola comendo ou descansando. Uma vez colocados, os caçadores vão aos seus esconderijos, de onde podem observar as galinhas de angola que chegam sem serem vistas. Quando avistam um bando voando alto, um dos caçadores emite um som que imita a voz da galinha de angola para atraí-las com o som de que “está tudo bem aqui”.
Por natureza as galinhas de angola são cuidadosas e vão circular por muito tempo antes de aterrissar para se alimentarem. Enquanto circulam, ficam alertas constantemente, para detectar qualquer coisa que possa sinalizar perigo – uma voz de estou fraco, estou fraco que não seja natural, um chamariz mal posicionado ou o movimento prematuro do caçador no esconderijo, provoca uma fuga desesperada para o mais longe possível. Quando isso acontece e dá-se por terminada a caçada.
O caçador esperto trabalha pacientemente com o seu esconderijo, atraindo o bando cada vez mais perto de si. Se o caçador tiver sucesso em enganá-las, as galinhas de angola vão finalmente abaixar as asas e deslizar na direção do chamariz e tão logo se aproximem, os caçadores começam a atirar do esconderijo, matando muitas daquelas aves magníficas.
Agora, depois de crescido, não penso mais em matar galinhas do mato. Mas eu vejo isso como uma boa parábola da tentação. Como os caçadores de minha infância, e falando nisso, estive com um deles recentemente, durante minha ida a Angola, o tentador também estuda a sua presa inocente. Com genialidade e inteligência, ele constrói esconderijos e coloca chamarizes, sempre atraindo os inocentes para a armadilha que preparou.
Satanás é o mestre da mentira. Ele é o mais astuto de todos animais do campo e pior que isso – ele está atrás de você. Tal como o caçador de galinhas de angola, ele utiliza acessórios de camuflagem. A bíblia diz que ele se transforma em anjo de luz e por isso nunca devemos lhe ignorar os desígnios, nos diz Paulo.
Ah, se pudéssemos ver o pecado como ele é no final de tudo, dificilmente o acharíamos tentador.
Se Ló fosse capaz de ver as tragédias que lhe adviriam de Sodoma, não teria sido levado a armar sua tenda perto daquela cidade, por mais fértil e bem provida de água que fosse aquela planície (Gênesis 13:10, 11).
Se Sansão soubesse que o seu relacionamento com Dalila acabaria em traição, cegueira, prisão e morte, provavelmente nunca teria se apaixonado dela, por mais cativante que fosse a sua beleza.
Se Davi soubesse que o romance com Bate-Seba acabaria em assassinato de Urias, em morte do filho concebido durante o encontro amoroso ou adultério, em confusão sem limites no seu reio e na sua família, jamais teria pulado a cerca.
1) Pergunto eu, quem se sentiria desejoso de experimentar cocaína se, em vez da promessa de paraíso e suposta popularidade, nos fossem mostradas as conseqüências inevitáveis do vício – ruína financeira, conflitos conjugais ou familiares, e tragédia pessoal?
2) Que adolescente procuraria namorar no banco de trás de um carro se soubesse que sua atitude acabaria, não na segurança que ela deseja, mas na conseqüência trágica do aborto?
3) Que crente deixaria de pedir ou conceder perdão se soubesse que ele mesmo poderia ser uma vítima de seu próprio veneno, morrendo com câncer intestinal ou com pressão alta?
O preço oculto do pecado é justamente esse – OCULTO. Com habilidade o tentador cria uma ilusão que hipnotiza. Ele não nos atrai necessariamente com coisas ruins, pelo menos não inicialmente. Antes, ele nos tenta procurando satisfazer uma necessidade legítima de maneira imprópria.
Satanás é mestre em meias-verdades, no benefício imediato. Deus, por outro lado, lida com a verdade completa – e a verdade de Deus é a nossa única defesa contra as mentiras e enganos do inimigo.
Como o crente foge das armadilhas do tentador? Pastor, é normal eu ser tentado? Que atitude deve se tomar hoje mesmo para vencer a tentação? O que é que você e eu devemos saber?
I. Para fugir da armadilha do tentador, temos de conhecer a verdade a respeito do pecado (Gálatas 6:7, 8; Oséias 10:13).
A alma que pecar esta morrerá (Ezequiel 18:4). Você e eu precisamos saber que pecado nunca fica sem conseqüências. Por mais cansadas e famintas que aquelas galinhas de angola estejam, se forem enganadas pelos chamarizes dos caçadores, elas serão mortas ou feridas.
II. Para fugir da armadilha do tentador, temos de conhecer a verdade a respeito da nossa pecaminosidade (Romanos 5:12).
Por mais dolorosa e humilhante que seja, tenho que encarar a minha capacidade de pecar, eu – Jorge Cacuto.
Dadas a circunstâncias, todos nós somos capazes de praticar o pior pecado que você imagina. Apenas quando reconhecemos esta verdade trágica, daremos os passos necessários para tratar este mal que está dentro de nós. Apenas quando reconhecemos a fraqueza que está dentro de nós, encontramos forças em Cristo para enfrentar o inimigo.
III. Para fugir da armadilha do tentador, temos de conhecer a verdade a respeito de Deus (Lamentações de Jeremias 3:22, 23).
1) Satanás quer que nós creiamos que Deus é duro de coração, rápido em julgar e lento em perdoar. Encontrei uma moça na África que pensava exatamente assim. Antes de conhecer a Cristo ela caiu no conto do vigário. Manteve um namoro descompromissado e com isso ela foi levada a praticar um aborto. Naquele domingo pela manhã, em prantos em prantos ela disse a mim: "Deus não pode me perdoar!" "Por que Deus não pode te perdoar?" "Porque pratiquei aborto algum tempo atrás".
Por mais miseravelmente que tenhamos fracassado, por mais baixo que tenhamos caído, Deus está pronto a os perdoar. O Salmo 103:17 diz que: .. o amor do Senhor é de eternidade a eternidade.
2) De um lado, Satanás quer que creiamos que Deus é duro demais, é duro de coração. Porém, se ele não conseguir nos fazer pensar desse jeito, então ele tenta nos levar a pensar que Deus é tolerante com o pecado. Deus, Deus é um vovô celestial que passa a mão na cabeça dos netinhos, dizendo que toda criança é assim mesmo. Pode levar a vida dupla, afinal de contas todo mundo faz assim. Deus, Deus não liga como você vive, basta apenas fazer alguma coisa para aplacar a ira de Deus. Afinal de contas você é dizimista fiel – você vai em alguns cultos. Não importa de você bebe um pouquinho, se fuma, se fica, se vai a boate, se curte alguma pornografia, isso não importa, afinal de contas ninguém é de ferro.
Sabe de uma coisa, ser fanático também não é bom. Deus vai te garantir um tratamento especial por causa das circunstâncias “únicas”.
Sabe de uma coisa, isso também não é verdade. Embora a graça de Deus seja inesgotável, não devemos cair no engano de satanás e crer que podemos abusar dela sem sofrer as conseqüências.
Cuidado com a afirmação de que crente não perde a salvação. Não perder não significa que você a tem.
IV. Para fugir da armadilha do tentador, temos de conhecer a verdade a respeito da tentação (1 Coríntios 10:13).
A tentação em si mesma não é pecado. Por mais impuros que possamos nos sentír, a tentação em si, não é pecado. O nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo foi tentado. Ora, se Ele foi tentado, como nós podemos escapar dos ataques do inimigo de nossas almas? Não tem como. Porém, há algumas coisas que podemos fazer para diminuir o seu poder, mas não temos como acabar com a tentação. Por exemplo, orando sempre.
A vida, porém, me tem ensinado que no princípio da tentação, o caminho da fuga é largo e fácil de se achar. Contudo, quanto mais me demoro, mais estreito se torna o caminho da fuga e mais difícil de encontrar.
Considere a história das galinhas de angola. Quando elas enxergam os chamarizes pela primeira vez e ouvem o assobio dos caçadores, a fuga é fácil. Todo o céu está à disposição. Contudo, quando elas se colocam ao alcance das armas dos caçadores, as opções se tornam as mínimas possíveis. A fuga ainda é possível, mas agora têm que voar através de uma chuva de chumbos.
A moral da história das galinhas de angola é simples: quem leva à sério a necessidade de fugir da tentação deve agir rapidamente.
Tenho um amigo cujo nome é Joaquim. Embora o nome seja fictício, porém, os fatos são reais. Meu amigo Joaquim e eu não nos víamos há uns 14 anos. Joaquim, foi presidente e regente de um coral que hoje possui dois CDs gravados. Cheguei a cantar no coral por ele presidido. Ao nos encontrarmos, de longe me pareceu um homem sem esperança. Embora tivesse sido criado em um lar cristão e filho de um pastor conceituado, Joaquim caiu na tentação, desobedecendo aos princípios que sempre defendeu.
Seu primeiro casamento acabou em divórcio, deixando-o amargurado e desiludido. Na tentativa de reconstruir a sua auto-estima enfraquecida, saiu-se bem no mundo dos negócios, acumulando sucesso sobre sucesso. Porém, a sua angústia espiritual cada vez ia aumentando.
Durante o culto enquanto eu pregava na igreja que ele ajudou a fundar, e que com dez anos de existência é uma das igrejas que mais cresce naquela cidade, meu amigo Joaquim foi ao culto só para marcarmos um almoço juntos que tinha o tom de desabafo quanto ao que acontecera. Foi naquele dia do almoço em sua casa que fiquei sabendo da armadilha e do labirinto que sua vida estava envolvida.
Planejava separar-se do segundo casamento, havia sido preso por ter atropelado um pedestre, porque sua mente simplesmente não conseguia mais organizar as idéias. Bateu com um de seus carros preferidos, que normalmente usa em ocasiões especiais.
Joaquim ainda busca uma restauração. Tenho orado por este amigo que muito tem a ver com a minha vida de fé. Todavia, não posso deixar de me entristecer por quanto talento hoje jogado fora. Verdadeiro exemplo de alguém que poderíamos chamar de sucata. Sua vida não passa mais que uma sucata.
Joaquim, em algum momento de sua vida, deixou de considerar a verdade a respeito do pecado, a verdade a respeito da nossa pecaminosidade, a verdade a respeito de quem é Deus e, finalmente, a verdade a respeito da tentação.
Enquanto alerto a cada ouvinte, nesta noite, devo dizer que: quem leva a sério a necessidade de fugir da tentação deve agir rapidamente.

Pr. Cacuto

anterior

[topo]