Mensagens em Efésios   

A VIDA CRISTÃ EXIGE CRESCIMENTO EM MATURIDADE(Ef. 4:13-16)
13 até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo,
14 para que não sejamos mais crianças, levados de um lado para o outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro.
15 Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,
16 de quem todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função.


O salvo em Cristo deve buscar a perfeição, no sentido de crescer em maturidade.
Mateus 5:48: "Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso pai celeste."
De tempo em tempo a igreja cristã tem vivido ondas diferentes de doutrinas e ênfases. Tivemos, por exemplo, a febre de sermão evangelístico. Próximo mês teremos uma nova série de sermões evangelísticos. A febre da conferência missionária. Não há nada de errado no sermão evangelístico quanto na conferência missionária. O problema está nos valores.
Vivemos também a febre das falsas doutrinas: sopro, tombo ou cai cai, dente de ouro, gruda gruda, riso, G12, e por aí... Algumas destas ondas já passaram. Estes erros fazem mais estragos do que a própria incredulidade e a perseguição juntas.
Me parece que estas aberrações encontram espaço no povo de Deus por não entendermos o que significa a nossa condição de membros da igreja – o privilégio e a responsabilidade que há em representarmos a igreja da qual fazemos parte.
Ilustração: Um aluno nos disse recentemente que seu próprio pai, que até hoje ainda não salvo, afirma que há 30 anos atrás, se uma pessoa exibisse uma carteirinha de membresia de uma determinada igreja, não precisava de fiador...
Aplicação: E hoje? Jogamos fora, por nada, o privilégio de crescermos em maturidade: porque alguém falou algo que não gostei - não importa se falou a verdade ou não; por causa de um vício não controlado, jogamos a nossa vida por nada. Irmãos, não existe nada que se compare com o ser cristão e membro do corpo de Cristo.
Neste texto, o apóstolo nos faz lembrar de duas necessidades fundamentais relacionadas com o nosso crescimento espiritual:
I. Crescer no conhecimento da Palavra de Deus (vs. 13-14).
Gostei da palavra hoje de manhã que o Pr. João trouxe. Permitam-me fazer-lhes uma confissão. Eu fico preocupado com o crente que constantemente recorre ao índice para achar uma determinada referência. Esta busca é normal e até certo ponto natural para o novo convertido. Mas depois de algum tempo este novo crente vai conhecendo a sua ferramenta que lhe proporciona o crescimento e cada vez mais vai dependendo menos dos índice. Isso por que:
1. Todos nós começamos a vida cristã como crianças (v. 13). Esta é uma verdade que nos esquecemos com freqüência. A vida cristã não é a continuação de alguma outra vida que já vivíamos, não. A vida cristã é completamente nova. São novos valores, novos princípios, é uma nova conduta. A vida cristã é uma nova vida porque ela começa com o novo nascimento. Então isso significa que para você crescer em maturidade cristã, você tem que nascer de novo, necessariamente- II Cort 5:17.
Ilustração: Esta foi a experiência de Nicodemos - cf. João 3:1-8.
2. Começamos a vida cristã como crianças, e deste ponto em diante, temos que crescer (vs. 13, 14). O problema é que muitos de nós não crescemos. Meus irmãos, a conversão não é o fim em si mesmo, mas sim um começo cujo alvo, conforme o versículo 13, é chegar à maturidade, à perfeita varonilidade.
Ilustração: Para ilustrar isso quero tomar o texto de I João 2:12-14 como exemplo.
Aplicação: Todos nós temos que passar por estes estágios. Todo aquele que se torna cristão, entra como criança. Ainda que ele tenha grande intelecto, ou que seja um grande homem numa profissão. Seja o que for que se possa dizer a respeito desta pessoa, quando entra na vida cristã, ele, como todos os outros, entra como um bebê espiritual. Tudo o que o novo convertido precisa saber é que ele tem um Pai que o ama, e que seus pecados foram perdoados. O Sr. Gilberto (juntou os santos e jogou-os)... Não precisa saber quantos livros tem a bíblia, embora seja importante.
3. Uma criança tem características particulares (v. 14). A advertência é não sermos mais como meninos inconstantes levados de um lado para o outro por qualquer vento de doutrina. Não conheço nada que seja mais trágico do que ver cristãos que permanecem exatamente onde sempre estiveram e sendo o que sempre foram. Quero apontar três características particulares das crianças espirituais:
a) A Instabilidade da Criança. Uma criança muda tão rapidamente do riso para o choro. Na vida de fé, muitos cristãos se comportam também assim. Onde é o próximo show, etc. Ontem fiquei sabendo uma nova onda. Os pastores de roupa branca... Os crentes instáveis vivem em função da próxima novidade.
b) A Falta de Domínio Próprio.
É por isso que as crianças têm que estar sob o controle de pessoas mais velhas. As crianças não conseguem controlar o seu gênio. Como é que se tira um doce da mão de uma criança? Oferecendo outra coisa de menor valor, porque senão vai chorar. De igual modo muitos bebês espirituais aceitam qualquer coisa que se lhes oferecer.
c) A criança reage exageradamente às coisas que lhe acontecem. A criança ou gosta demais de uma coisa ou a odeia, sem meio termos.
Ilustração: Há duas semanas atrás tivemos uma visita indesejada em nossa casa e o ladrão levou algumas coisas. Mas Matheus, nosso filho, de apenas quatro anos, constantemente temos que pedir a ele: Chega filho. Já passou. Mas ele tem razão porque o ladrão levou algo de valor para ele, o aparelho de som. Ele ouvia a história de Davi e Golias, em CD, a preferida dele, em média quatro a cinco vezes por dia e à noite tenho que contar esta história até saber reproduzi-la.
Aplicação: O cristão amdurecido não pode ser levado por qualquer coisinha que aconteça. Infelizmente tudo isso tem sido verdade a nós como cristãos. Agimos muitas vezes como as criancinhas agem. Uma das tristezas de qualquer pastor é imaginar que fulano está maduro, mas quando vem a prova, o fulano se mostra que ainda é meninão. Qualquer coisa, contanto que seja diferente, já muda de opinião.
II. Crescer na verdade e no amor (vs. 15, 16).

Ao invés de nos deixarmos levar por qualquer vento de doutrina para cá e para e lá, nós precisamos da verdade e do amor. Isso porque é em amor que a igreja cresce e se edifica (cf. v. 16).
1. Você jamais vai andar na verdade, a menos que conheça a verdade. Há certas doutrinas que são absolutamente essenciais e que ninguém nunca jamais deveria ousar mudar. Aliás, sábado que vem, às 09h00 da manhã, teremos a reunião extraordinária dos estatutos. Artigo 4º . Irmãos, há verdades que não mudam e que custaram a vida de muitos fiéis nos passado.
Ilustração: Me lembro de Policarpo, bispo da cidade de Esmirna. Quando o juiz pediu para que ele amaldiçoasse a Jesus em troca da liberdade, ele respondeu: Vivi 86 anos servindo-lhe, e nenhum mal me fez. Como poderia eu maldizer ao meu rei, que me salvou? Diante da insistência que ele seria queimado vivo retrucou dizendo que o fogo que o juiz podia acender duraria somente um momento, e logo se apagaria, mas que o do castigo eterno nunca se apagaria.
Aplicação: Hoje há na igreja do Senhor Jesus como que um tipo de aversão à história. Às confissões e aos credos. Quando se fala de doutrina, uh! É cafona. Irmãos repudiar toda uma história de um povo é arrogância.
2. Não é bíblica a verdade sem amor. O amor não deve preceder a verdade e a verdade jamais deveria ficar desconexa do amor. Às vezes o amor tem que doer. O pai que nunca corrige seu filho é um pai que na verdade não ama o seu filho. Isso quer dizer que não é bíblico verdade sem amor e de igual modo, não é bíblico amor sem a verdade. Estes dois erros cometemos constantemente quando exageramos ou na verdade sem amor, ou no amor sem a verdade.
Conclusão.
Todo o falso ensino deve ser odiado, rejeitado e denunciado. Está errada, sim, a teologia da prosperidade, conforme tem sido apresentada. Está errada a teologia do tombo. Está errado todo ensino que apresenta um deus de um pequeno grupo de privilegiados que somente eles conseguem alcançá-lo. No NT todos os apóstolos não somente odiavam os falsos mestres, mas também advertiam as pessoas sobre o perigo que eles representavam. Hoje, pergunto eu, como você age quando vê alguém ensinando o que está errado?
O princípio que deve governar a nossa vida deve ser aquele que homens no passado já apresentaram: Nas coisas essenciais, unidade; nas coisas não essenciais e sobre as quais não há certeza absoluta, liberdade; e em todas as coisas, amor.
Queira Deus abrir os nossos olhos, ter misericórdia de nós e nos dar entendimento e discernimento espiritual, para que resistamos o diabo e, assim, honrar e glorificar o nosso bendito Senhor e Salvador Jesus Cristo. Deus seja louvado!

Pr. Jorge Francisco Cacuto


[topo]