Mensagens em Efésios   

VIDA INFRUTÍFERA - A VIDA SEM JESUS (4:17-19)
17 Assim, eu lhes digo, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios,* que vivem na futilidade dos seus pensamentos.
18 Eles estão obscurecidos no entendimento e separados da vida de Deus por causa da ignorância que neles há, devido ao endurecimento dos seus corações.
19 Essas pessoas, tendo perdido toda sensibilidade, entregaram-se à depravação, cometendo com avidez toda espécie de impureza.

O homem sem Jesus não vive, existe.

“Tu nos fizeste pata Ti, e os nossos corações não descansarão enquanto não acharem descanso em Ti”. Santo Agostinho

1. Como cristãos, somos homens e mulheres inteiramente novos. Nós não fomos salvos simplesmente para escaparmos do inferno; embora isso seja verdade. Nós fomos salvos para que Deus apresentasse um povo que causaria espanto ao mundo. A vida do cristão dentro e fora da igreja é uma só. Não há nada mais trágico para o cristianismo que cristãos levarem duas vidas: uma dentro e outra fora da igreja.
Na série anterior (Efésios 4:1-16) tratamos sobre a unidade do povo de Deus. Nós vimos que: A igreja é um povo unido, é um povo que respeita a capacidade de cada um, a diferença de cada um. É um povo despido de egoísmo e orgulho. Nesta série trataremos sobre a pureza do povo de Deus. A pureza é uma característica do povo de Deus tão indispensável quanto a unidade. O Espírito Santo não está no homem somente quando ele está na igreja. O Espírito Santo está no homem quando ele está na estrada, ou em qualquer lugar. Assim como a igreja deve ser uma comunidade unida, igualmente ela deve ser pura, de um andar puro.
2. É exatamente isso que Paulo trata aqui neste texto. Como cristãos, não devemos andar como andam os homens de fora a quem Paulo chama de gentios. Devemos classificar a palavra gentios em dois grupos. Os gentios que foram salvos e lavados pelo sangue do Cordeiro, e os gentios que não são cristãos. Esta é a posição que nos encontrávamos antes de conhecer a Cristo. Entendo que é para este grupo que Paulo está se referindo. É verdade que estamos generalizando. Nem todos os pagãos são dissolutos.
Pergunta: Por que não devemos fazer as coisas comuns aos gentios? Qual é a origem das trevas nas mentes dos gentios? Do que os pagãos são ignorantes?
Para responder esta pergunta, vou enumerar três declarações acerca da condição daqueles que ainda não creram em Cristo, o Salvador.
I. A condição do homem (v.17).
Examinemos as condições gerais dos gentios conforme descritas aqui neste texto. Qual é a condição mental do homem sem Jesus?
1. Eles andam na vaidade dos seus pensamentos. Ora, o que significa a expressão vaidade dos pensamentos ou da mente? Mente significa vontade, razão, emoções, a consciência, o afeto. Significa a personalidade total da pessoa.
Ou seja, Paulo está dizendo que no homem sem Jesus, os seus pensamentos são pensamentos fúteis, são completamente vazios. Essa, pois, é a descrição em geral da vida do mundo pagão dos gentios. O que eles estão fazendo hoje? Eles estão pulando carnaval por todos os lados, mas o apóstolo nos diz que essa vida é vazia, fútil, sem objetivo, completamente vã.
Eu lhes pergunto: Não são estes os valores da vida deste mundo moderno sem Cristo? A vida da televisão! A vida do cinema! A vida de bebidas e dos jogos! A vida das sociedades alta ou baixa! Os shows e por aí adiante. Mas o que é que há nisso para as suas almas? Que é que isso lhes diz sobre a vida eterna? Qual é o final do caminho que seguem? Andar na vaidade de suas mentes.
2. Eles vivem uma vida vazia. A vida sem Cristo é sempre vazia. O apóstolo Paulo, em outras palavras, esta dizendo: Cristãos da cidade de Araçatuba, vocês não devem mais serem dominados e influenciados pela mentalidade do homem sem Jesus. Vocês que nasceram de novo não devem olhar para trás, com saudade da vida velha! Olha aquela vida velha é inútil, é fútil e vazia.
II. A causa da vaidade do homem (v. 18).
Por que as pessoas, andam na vaidade de sua mente? As duas principais causas, responde o apóstolo, são: Primeiro, a dureza de seus corações e segundo, que eles estão separados da vida de Deus.
1. A dureza de seus corações. Por que o homem sem Jesus tem o coração endurecido? É porque os seus entendimentos ou os seus corações estão entenebrecidos.
O problema do homem não convertido, seja ele judeu ou gentio, é que ele tem um véu sobre o seu coração e sobre a sua mente; ele não consegue ver. O resultado é que mesmo que o gentio ou judeu sem Jesus vá à igreja e consiga ler um texto da bíblia, ele não enxerga o significado. Ele ouve a letra, mas não entende o espírito do ensino. Por que? Porque há um véu que os cega. Há algo entre ele e a verdade, de modo que não consegue entender.
Nós, cristãos devemos estar cientes disso, mesmo que façamos tudo o que pudermos, devemos saber que há uma nuvem de nevoeiro nos corações daqueles em quem o Espírito de Deus não está habitando. Há um calo que torna insensível, que faz com as suas mentes sejam duras como a pedra.
Então, o meu supremo dever e o seu é orar. Orar rogando a Deus para que o Espírito Santo desça sobre a igreja de modo que venhamos a falar de tal maneira que os homens vejam o poder de Deus.
Eu fico chocado e triste ao mesmo tempo, porque daqui da frente dá para ver, algo do que você está vendo. O pastor pede aos salvos orarem no momento do apelo, mas as pessoas estão distraídas, conversando um com o outro. Oh, que pena não darmos conta da guerra que é travada por uma pessoa que vai confessar a Cristo como o Salvador. Converse com alguém que chegou recentemente a Cristo e ele vai lhe contar as lutas que enfrentou. O problema é que nós temos um superficial conceito de pecado e como resultado, também temos um superficial conceito de salvação.
2. Separados da vida de Deus. O que é a vida de Deus? Ora a vida de Deus não é simplesmente uma vida piedosa, embora faça parte. O homem sem Jesus está fora da vida de Deus, não participa dela, não a conhece. Por que? Porque o homem abandonou a vida de Deus quando caiu em Adão. Desde a queda em Adão o homem continua na condição de separado da vida de Deus. Ele está fora do jardim. De modo que, o que eu e vocês chamamos vida não é vida, é uma simples existência. O homem em pecado não vive, existe, vive como um animal, está em busca de vaidade. Ele foi cortado da vida de Deus.
Com este senso de separação, o homem procura cultuar alguma coisa, algum ídolo. É claro que a idolatria não implica apenas adoração de imagens fundidas. Ela também pode incluir a adoração a grandes idéias, sistemas, instituições e personalidades. Fazemos isso hoje, quando o homem adora a si mesmo, a sua própria família, os pais, a nossa posição social – temos que ter um deus.
Agostinho disse com muita precisão que: "Tu nos fizeste pata Ti, e os nossos corações não descansarão enquanto não acharem descanso em Ti”. Ou seja no coração de cada pessoa, há um vazio que somente Deus pode preencher.
E você? Você conhece a Deus? Você participa da vida de Deus? Você encontrou paz e descanso para a sua alma? Você sabe que é possível passar a eternidade não em aflição, e sim em glória sem medida, na presença de Deus?
Aplicação: Por causa do endurecimento os homens permanecem separados de Deus. Como é tão fácil nos esquecermos desta verdade. Paulo está dizendo que o homem sem Jesus tem um coração calejado. Há uma cobertura espessa e dura em volta do coração do homem natural. Ele não vive, mas existe.
III. A conseqüência da vaidade do homem (v. 19).
1. Insensíveis. Havendo perdido toda a sensibilidade. Ou seja, que eles se acham num estado em que estão além da possibilidade de sentir vergonha. A que os homens se entregam?
2. Entregues a toda espécie de impureza. A dissolução, a libertinagem franca irrestrita e desavergonhada. Pergunto eu: Como tem estado a conduta das pessoas de nossos dias? Até nas ruas, a sem-vergonhice, o descaramento cada vez mais se vêem em público. Os homens com avidez cometem toda sorte de impureza. Os homens se entregaram à cegueira dos seus corações e à dureza da sua consciência, e perderam todo o sentido; entregaram-se à dissolução.
Aplicação: Essa espécie de vida, nos diz Paulo, o apóstolo que nós fomos salvos dela. Amém! Não permita Deus que alguns de nós olhemos com saudade para a vida velha que levávamos antes de conhecer a Cristo.
Conclusão:
À luz de tudo o que tratamos aqui, se alguns de nós está falhando em algum ponto da conduta e do comportamento cristão, se há ira, maldade, ódio, amargura, impureza ou um espírito não perdoador em algum de nós é porque não nos damos conta de que o Espírito Santo habita em nós e que O estamos entristecendo.
1. Irmãos o mundo em que eu e vocês estamos vivendo hoje, é o mundo que o apóstolo Paulo descreve nos versos 17-19.
2. O mundo está cansado de ouvir, ele quer ver.
Ilustração: Alexandre o grande, disse a alguém que tinha o mesmo nome que ele e que vivia de modo indigno: 'Mude de vida ou mude de nome'.

Pr. Jorge Francisco Cacuto


[topo]