Mensagens em Efésios   

COMO E POR QUE O CRISTÃO DEVE ABANDONAR OS MAUS HÁBITOS II (Ef. 4:29-31).
29 Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem.
30 Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção.
31 Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade.
32 Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.


Cristianismo significa substituir os maus hábitos.
No domingo retrasado nós vimos três exortações contra os pecados que devemos evitar. Na ocasião fiz a citação de um texto do Velho Testamento, mas com endereço errado. Terminou o culto e o irmão e presbítero Augusto me alertou para este equívoco. Ao escutar a fita, houve a confirmação do erro. O texto que diz: ... o que recebe salário, recebe-o para pô-lo num saquitel furado, isto é num bolso furado, é Ageu 1:6, e não Malaquias, conforme citado naquele domingo.
Essas exortações dizem respeito aos nossos relacionamentos, e cada proibição negativa é confrontada por um princípio positivo. Fomos exortados a:
1. Substituir o hábito da mentira >>Proibição. Falar a verdade >> Princípio. É importante notar que os princípios não mudam. A verdade era uma virtude importante nos dias de Paulo, e de igual modo é uma virtude importante hoje.
2. Substituir o hábito do rancor, ou ira incontrolada >>Proibição. Tenha certeza de que a sua ira é justa >>Princípio.
3. Substituir o hábito de roubar >>Proibição. Trabalhar e contribuir >> Princípio.
Com temor e tremor, porém, com a ajuda de Deus, desejo apresentar-lhes mais Duas exortações contra os hábitos que devemos substituir em nossas vidas:
I. Não use a boca para o mal, mas, sim, para o bem (4:29, 30)
.
A nossa conversação deve estar sempre sob controle (4:29). A língua do cristão jamais deve ficar fora de controle. O objetivo da nossa palavra é transmitir graça aos que a ouvem. Não devemos nos esquecer, diz o apóstolo, que o homem ou a mulher ou o grupo de pessoas a quem você estiver falando, possuem almas imortais; que a vida deles não termina neste mundo, que eles vão para eternidade.
Aplicação: Meu querido povo cristão, há por perto de nós homens e mulheres cansados! Por esta causa devemos refletir quanto as palavras que nós usamos quando conversamos. Devemos avaliar o nosso linguajar. As palavras do nosso Senhor Jesus em (Mateus 12:35, 36) são oportunas. A palavra nos diz: – “O homem bom tira do tesouro bom cousas boas; mas o homem mau do mau tesouro tira cousas más. Digo-vos que de toda a palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo”. Em função do uso de nossa boca, Paulo faz uma grande declaração no verso 30. "E não entristeçais o Espírito Santo, no qual fostes selados para o dia da redenção."
1. O que é importante saber
é que o Espírito Santo nos foi dado e que Ele habita em nós. Nenhum homem é cristão, a menos que o Espírito Santo esteja nele. Romanos 8:9 nos diz que se alguém não tem o Espírito de Cristo esse tal não é dele. Em I Coríntios 3: 16, 17, Paulo nos lembra que o Espírito Santo habita na Igreja. Em I Coríntios 6:19, 20 Paulo nos lembra que individualmente, nós os salvos, somos templos do Espírito Santo.
2. Entristecer o Espírito Santo é algo que se aplica ao não crente. O incrédulo resiste ao Espírito Santo, mas não pode entristecê-lo. A única pessoa que pode entristecer o Espírito Santo é aquela que pertence à família da fé.
1ª pergunta: Como é que o crente entristece o Espírito Santo de Deus? O que causa tristeza ao Espírito Santo? Pecado. Pecado entristece o Espírito de Deus. O Espírito Santo é uma Pessoa, e Ele sempre é entristecido pela nossa falta de santidade. Qualquer coisa pertencente à carne entristece o Espírito. Gálatas 5:19-21 (fruto da carne).
Qualquer coisa pertencente à carne entristece o Espírito. Você pode entristecê-lo com os seus pensamentos. Você pode entristecê-lo ao não responder as suas sugestões, o seu ensino, sua direção para a sua vida. Enfim, tudo o que o Espírito faz em nós para nos levar a uma vida de santidade progressiva. (Gálatas 5:16).
2 ª pergunta: Qual é o objetivo final da salvação? Por que Deus me salvou? Para que os meus pecados sejam perdoados apenas? Para que eu fique livre do inferno, apenas? A resposta é: NÃO. Meus queridos irmãos, não devemos entristecer o Espírito Santo que em nós habita, por causa do dia da redenção. Que dia é este? O dia em que Cristo voltar e julgar o mundo com justiça, e quando destruirá todos os Seus inimigos.
O Espírito Santo é o Espírito sensível. Ele odeia o pecado, a discórdia, a falsidade, a mentira, o roubo, a linguagem incontrolada. Ele se retrai diante do pecado na vida de um crente. Logo, se quisermos evitar que Ele se entristeça devemos abandonar também o pecado. Todo crente cheio do Espírito Santo deseja dar-lhe prazer e não dor.
Não me entenda mal. Não estou dizendo que você perderá a salvação, mas que sim, não terá a alegria da salvação. Quantos crentes e crentes que vivem se arrastando pelo enfado do caminho neste mundo, gemendo e chorando. Quando ele olha para dentro de si, só vê pecado. Isso quer dizer que se você não andar no Espírito, estará na carne e com isso o diabo investirá contra você, insinuará pensamentos e desejos vis em seu coração. Você se sentirá vivendo no inferno e sentirá o inferno dentro de você.
O Espírito nunca abandona o filho de Deus. Selo é selo e não serve se puder ser violado. Você não fica entrando e saindo na salvação. Você não é salvo hoje e perdido amanhã e depois salvo de novo. Isso não é ensino bíblico.
II. Não seja amargurado (maldoso), mas, sim, perdoador (4:31-32).
A amargura é um estado e uma condição que nunca vê algum bem nalguma coisa. Sempre se dá um jeito de ver algo errado, ou algum defeito no que o outro é ou está fazendo. Existe um ditado proverbial que diz que: Quem sofre de icterícia vê tudo amarelo. O mesmo se pode dizer daquela pessoa que tem espírito amargurado. Para tudo o que ela vê, sempre tem a mesma cor.
Todos nós conhecemos alguém assim. Há alguns que nunca agradecem por algo bom que você tenha feito. Entretanto, se você se esquecer de um detalhe, ou por um mero lapso de língua, disser algo errado, eles são capazes de te execrar a vida inteira. O espírito amargo vê as manchas e falhas, contudo parece que nunca vê o que é bom.
1. Antes da salvação, vivíamos no estado de amargura por natureza. A pessoa amargurada faz de si mesma uma pessoa miserável. Por isso as palavras ira, cólera e gritaria estão no nosso texto como a força que freqüentemente está por trás do comportamento amargurado.
2. Gritaria significa uma espécie de briga que inclui gritos e violência. Todos nós sabemos o que significa homens e mulheres num estado de furor e cólera. Eles não se falam; gritam uns com os outros. Vez por outra alguém diz gritando: Quem manda aqui nesta casa sou eu. O vizinho do outro lado diz, Nossa... O machão do outro lado está bravo. Você está rindo? Muitos crentes fazem isso.
Aplicação: Meu querido irmão, gritaria é uma atitude que não é nossa. Quer no sentido individual, quer no nosso relacionamento familiar, quer no serviço ou na igreja. Algumas igrejas, quando vão para a Assembléia, os pastores têm que passar aquela última semana em jejum, porque a Assembléia mais se parece um campo de batalha.
Ilustração: O exemplo de Moisés em Meribá, ao ferir a rocha (Números 20:2-12).
3. A blasfêmia tem a ver com calúnia, falar mal de alguém. Ou seja, desejo de falar coisas ruins que prejudiquem outras pessoas. Isso inclui o prazer de difamar os outros. Não é somente quando dizemos coisas más contra Deus, mas somos igualmente culpados quando de blasfemos quando dizemos coisas más de outras pessoas que são a imagem e semelhança de Deus.
4. Malícia significa maus desejos em relação aos outros.
É um espírito de ódio que domina a pessoa e que vive pensando nas maneiras de como prejudicá-las. Estes males têm que ser expulsos para longe de nós. Esse tipo de comportamento é totalmente incompatível com o novo homem.
Conclusão:
Graças a Deus é possível vencer os hábitos, cuja lista começa no verso 25. Qual é o jeito de se livrar de todos estes males, pastor? Você quer se livrar deles? Então anote algumas sugestões de como se livrar dos maus hábitos.
1. Comece a cultivar as virtudes. Começa a desenvolver um novo afeto. O meio pelo qual se retiram de algumas árvores as folhas no inverno, é o impulso da nova vida. Esse impulso solta a folha morta para dar lugar a uma nova folhagem.
Do mesmo modo, o cristão se livra das coisas más, tais como: Mentira, ira, roubo, amargura, cólera, gritaria, falar mal dos outros e toda malícia, quando permite que as novas qualidades se desenvolvam nele.
2. Comece a cultivar a bondade. Certamente esta qualidade é o oposto de ser amargo. Mas, além disso, o real significado tem a sua origem em ser útil para os outros, enquanto o azedume fica de lado, criticando, porque o amargurado nunca é útil para nada. O amargurado é um consumidor sanguessuga, sempre tira, sempre subtrai, mas o bondoso dá, é útil, é benéfico.
3. Comece a desenvolver a compaixão. Sinta as necessidades das pessoas em sua volta. Antigamente as entranhas (ou seja, os órgãos do abdômen) eram consideradas como o centro dos afetos. Aperte os seus órgãos abominais e perceberá que eles são moles, eles não têm calo e nem osso. Isso significa que não devemos chegar numa condição na qual nada do que acontece com alguém faz a mínima diferença para você. Não se importar com as necessidades do próximo é paganismo. Nós não podemos ver as necessidades do próximo e simplesmente dizer: Deus te abençoe. O paganismo se importa com os outros. A maçonaria e o espiritismo são exemplos disso. Nós não devemos ver as necessidades das pessoas e fechar os olhos. Alguma coisa tem que ser feita, meus irmãos e isso a começar de mim. Leia na NVI I João 3:17-20).
4. Pratique o perdão. Uma das coisas interessantes no cristianismo, é que a palavra de Deus jamais disse: Finja que nada aconteceu com você. Perdão é perceber o mal que foi feito contra você e então tomar a atitude de que o que aconteceu não vai afetar o seu relacionamento daqui para frente. O parâmetro para perdoarmos a quem nos ofende é Cristo.
Será que você está com malícia em relação a alguma pessoa? Você está pronto a perdoar? Se está, acredite-me, você é cristão. Todavia, se você continua duro e incapaz de perdoar, nada mais tenho a dizer-lhe, exceto isso: enquanto você permanecer desse jeito, eu não tenho prova, e você não tem prova, de que foi perdoado. O homem que conhece o perdão tem o coração quebrantado. Compreende que é um homem vil a quem Deus não deve nada, mas em favor de quem Deus enviou Seu Filho único. E o Filho levou sobre si todo o seu pecado e iniqüidade, e a salvação lhe foi dada como uma livre dádiva gratuita, unicamente em Cristo. Bendito seja o nome do Senhor.

Pr. Jorge Francisco Cacuto


[topo]